Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Complexo Industrial e Portuário do Pecém - CIPP Sobre o CIPP
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Sobre o CIPP
Seg, 29 de Abril de 2013 11:42

Complexo Industrial e portuário do Pecém

O Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP) tem como objetivo viabilizar a operação de atividades portuárias e industriais integradas, imprescindíveis ao desenvolvimento de um complexo com características de Porto Industrial. Constituído de dois píers marítimos (um para insumos e produtos siderúrgicos e carga geral e outro para granéis líquidos, em especial óleo cru e derivados de petróleo), iniciou as operações comerciais em novembro de 2001 e foi inaugurado em março de 2002.

Por ser um terminal “off shore”, os píers de atracação estão protegidos da ação das ondas e correntes por um quebra-mar de berma, na forma de “L”, com 1.768 metros de extensão. Os dois píers são ligados ao continente por uma ponte rodoviária, que interliga o Pátio de Armazenagem às instalações de atracação de navios.

O Complexo opera movimentando matérias-primas siderúrgicas, produtos siderúrgicos acabados, fertilizantes e cereais em granel, contêineres e granéis líquidos e gasosos. 

Em 2010, o porto de São Gonçalo do Amarante movimentou 167 mil TEUS e 3,15 milhões de toneladas, além de receber a atracação de 529 navios. Esses indicadores, comparados ao primeiro ano de operação do terminal, representam cinco vezes mais contêineres, oito vezes mais tonelagem e três vezes mais a quantidade de navios aportados.

O Porto tem como missão incrementar o transporte intermodal de cargas na região, pela oferta de infraestrutura, de programas, de sistemas e de parcerias que resultem em desenvolvimento socioeconômico para a população do Estado do Ceará, em observância à Legislação Ambiental vigente.

Em 2011, a movimentação de mercadorias pelo porto do Pecém ultrapassou a meta dos três milhões de toneladas. Segundo a Companhia de Integração Portuária do Ceará (Cearáportos), que administra o terminal, foram 3,1 milhões de toneladas de mercadorias movimentadas no período.

Agora, em 2013, a movimentação de cargas no Pecém cresceu 15% no semestre. Movimentando 2,1 milhões de toneladas (t) no período de janeiro a junho do corrente ano, o porto do Pecém registrou uma variação positiva de 15% em relação ao primeiro semestre do ano passado, quando foram movimentadas 1,8 milhão de toneladas. O grande destaque ficou por conta do transporte de granel líquido, com aumento de 272%.

As importações tiveram aumento de 29%, enquanto as exportações decresceram em 38%, com variação positiva de 12% na movimentação de longo curso e  de 31%  na movimentação por cabotagem, (que é o transporte realizado entre portos do mesmo país), em relação ao mesmo período do ano anterior.

Na navegação de longo curso foram exportadas 39 mil toneladas de frutas, 14 mil toneladas de água de coco e 10 mil toneladas de carne, enquanto nas importações os combustíveis minerais registraram a movimentação de 816 mil toneladas, os produtos siderúrgicos com 379 mil e escória de alto forno granulada com 152 mil toneladas.

No transporte de cabotagem foram exportadas 23 mil toneladas de partes de pás eólicas 21 mil toneladas de sal e 16 mil de produtos da indústria de moagem. Nas importações as principais movimentações foram de produtos siderúrgicos com 53 mil toneladas, milho com 31 mil toneladas, arroz com 30 mil toneladas e combustíveis minerais com 20 mil toneladas.

Nos seis primeiros meses do ano operaram no porto do Pecém 190 navios, sendo 94 com calado superior a dez metros e 96 com calado inferior a dez metros.

As principais frutas movimentadas foram: Melão, com 26 mil toneladas; castanha de caju, com sete mil toneladas; melancia, com 3 mil toneladas, e manga com 1 mil toneladas. O estado do Ceará contribuiu com 65% do total de frutas movimentadas e o Rio Grande do Norte com 33%. Do total geral de exportações de frutas, 35% seguiram para a Holanda, 28% para a Grã Bretanha, 13% para os Estados Unidos e 12% para a Espanha.

Ampliação do Porto do Pecém
Foi lançada, em junho de 2011, pelo Governo do Estado, a licitação para a execução das obras da segunda fase de ampliação do Terminal Portuário do Pecém. O serviços incluem a construção de uma nova ponte de acesso, a ampliação do Terminal de Múltiplas Utilidades (Tmut) e a pavimentação com engorda do quebra-mar existente no tramo norte-sul para a nova ampliação do terminal. A licitação acontece na Comissão Central de Concorrências,  na Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Construção do Terminal de Múltiplo Uso (TMUT)
O TMUT é fundamental para a viabilização da Companhia Siderúrgica do Pecém, pois liberará o Píer 1 para operar exclusivamente com importação de matéria-prima e exportação de chapas de aço da siderúrgica. De 2006 a 2011, estima-se um crescimento de 150% na movimentação de cargas para o Terminal, que terá a capacidade de movimentação de contêineres ampliada dos atuais 250 mil TEU/ano para 760 mil TEU/ano. Com 18 metros de profundidade, 760 metros de comprimento e 115 metros de largura, o novo Terminal terá dois berços com capacidade de atendimento de modernos navios cargueiros de grande calado.

Construção de Terminal de Gás Natural (TGAN)
O TGAN é essencial para atender com segurança e eficiência as operações de regaseificação do Pecém, assegurando o suprimento de gás natural no Ceará e área de influência, destinado às termoelétricas, indústrias e uso veicular. Sua capacidade de movimentação será de sete milhões de m³/dia de gás natural comprimido. Terá dois berços de atracação opostos, com 420 metros de comprimento cada.

Ampliação das Tomadas Frigoríficas
O objetivo é melhorar o atendimento aos exportadores e consolidar a posição de principal porto do Brasil no escoamento de frutas e pescados. Para isso, as 624 tomadas frigoríficas existentes serão acrescidas de mais 264 novas tomadas.

Expansão do Molhe
A expansão visa à proteção das embarcações que utilizarão o Terminal de Múltiplo Uso e o Terminal de Gás Natural.

Construção de Correia Transportadora
O equipamento cria as condições operacionais adequadas ao transporte de matérias-primas destinadas à Usina Siderúrgica do Pecém, por meio de processos seguros, rápidos e de menos custo. Ao longo de 8,4 quilômetros de extensão e com capacidade para transportar até 1.250 toneladas/h, a correia fará a ligação entre o navio cargueiro e o pátio de estocagem da siderúrgica.

Aquisição de Scanner de Contêineres
O equipamento possibilita agilizar o processo de inspeção, evitando o atraso de embarques e possibilitando maior eficiência e segurança das operações, atendendo aos mais recentes padrões internacionais. A inspeção não-invasiva de cargas será feita por aparelhos de raios X ou raios gama.

Construção de Terminal Intermodal de Cargas
A área reservada para a obra é de 323 hectares e está localizada a cerca de 5 quilômetros do Terminal Portuário. As instalações serão destinadas a atividades portuárias complementares, como armazenamento de contêineres vazios e granéis, centros de distribuição, zonas de apoio logístico e outras. No local, serão realizadas operações de integração ao transporte rodoferroviário.

Construção de Bloco de Utilidades
A obra visa ao atendimento a todos os usuários do Terminal Portuário, reunindo salas de escritórios, área de alimentação, agência bancária, agência de Correios, cartório, auditório e outros serviços. O bloco foi planejado para atender as demandas produzidas pela crescente movimentação de cargas.

 

Fontes: Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece) e Cearáportos

 

 

 

Calendário

Julho 2018
D 2a 3a 4a 5a 6a S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4