Exportação de placas de aço chega ao terceiro ano no Porto do Pecém

21 de agosto de 2019 - 16:01 # # # # # #

Quase oito milhões de toneladas foram exportadas nos últimos três anos

 

7,9 milhões de toneladas de placas de aço foram exportadas através do Complexo Industrial e Portuário do Pecém desde agosto de 2016, quando a produção da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) começou a ser embarcada nos navios que atracam no Terminal de Múltiplas Utilidades (TMUT) do Porto do Pecém.

Portos da Itália, Turquia e Marrocos foram os primeiros a receber as placas. Ao fim do primeiro mês de exportação, quase 50 mil toneladas (49.860t) de aço haviam sido transportadas do Ceará para o mundo.

Até hoje o aço produzido pela Companhia Siderúrgica do Pecém já chegou a portos de Estados Unidos; Turquia; Brasil; Coréia do Sul; Itália; Polônia; Tailândia; México; Alemanha; Canadá; Reino Unido; França; Espanha; Taiwan; Indonésia; Marrocos; China; Romênia; Croácia; Argentina; e Bélgica. No ano de 2019 portos de sete países já receberam as placas de aço feitas no Ceará.

 

Toda essa produção tem como origem uma usina siderúrgica que está entre as mais modernas do Brasil e do mundo na geração de produtos de alta qualidade para a indústria naval, de óleo & gás, automotiva e construção civil. A Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) está localizada na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE), que possui condições ideais de carga e descarga de matérias-primas (insumos) essenciais para a produção das placas de aço.

Além de posição geográfica favorável à exportação, a ZPE Ceará foi a primeira Zona de Processamento de Exportação a entrar em operação no Brasil. Hoje, além da CSP, funcionam também na área a Vale Pecém; a White Martins; e a Phoenix do Brasil. A ZPE Ceará faz parte do Complexo Industrial e Portuário do Pecém – CIPP.

“Desde o começo das exportações, temos a confiança na parceria com o Porto do Pecém, por meio do CIPP, como pilar essencial do negócio da CSP. Bem localizado, com profissionais qualificados, infraestrutura adequada e em constante modernização, o equipamento proporciona um excelente canal de escoamento das nossas placas de aço. A parceria com o Porto do Pecém é essencial para cumprimos a nossa missão de ser referência mundial na produção de aço, contribuindo com o desenvolvimento regional sustentável”, diz Cláudio Bastos – Presidente da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP).

Quando a usina entrou em operação, o Produto Interno Bruto (PIB) específico do segmento Indústria foi incrementado em 48%. Na soma de toda a produção econômica do Ceará, o ganho foi de 12%. Hoje a CSP é responsável pela geração de aproximadamente 24 mil empregos, entre diretos e indiretos, nos municípios de Caucaia e São Gonçalo do Amarante.

Uma das empresas que atuam como prestadoras de serviços operacionais no Porto do Pecém é a Tecer Terminais Portuários, que tem como uma de suas atividades a operação de embarque das placas de aço produzidas pela CSP.

Para o gerente da Tecer, Carlos Alberto Alves, o constante trabalho do porto na atração de clientes permite que as prestadoras estejam sempre buscando novas ações e soluções que gerem ganho de eficiência para as operações. ”Precisamos sempre estar à frente na busca dessas soluções e temos expertise nessa área. Exemplo disso foi a operação coordenada que realizamos em junho, no desembarque de pás eólicas e embarque de placas de aço em um navio atracado no porto. Nossa capacidade de se adequar a demanda do cliente permitiu que desenvolvêssemos uma operação com menor tempo e com ganho de eficiência, garantindo economia que pode chegar a R$ 200 mil reais”, afirma.

Movimentação das Placas de Aço Embarcadas

Acumulado de 2016 a 2019 (até julho): 7.832,035 toneladas

TOTAL 2019 (Jan a Julho): 1.771.479 toneladas

TOTAL 2018: 2.969.807 toneladas

TOTAL 2017: 2.621.423 toneladas

TOTAL 2016: 602.195 toneladas

“Nosso porto opera desde março de 2002. Mas não temos dúvidas que o mês de agosto de 2016 representa um divisor de águas para a nossa operação. O movimento de cargas aumentou consideravelmente com os insumos que desembarcam e com as placas de aço que são embarcadas nos navios que atracam no Pecém. A expectativa agora é que num futuro próximo possamos aumentar ainda mais essa movimentação, gerando assim mais emprego e renda para o Estado do Ceará através do Complexo do Pecém”, disse Danilo Serpa – Diretor-Presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém – CIPP.

E para contemplar toda a operação que envolve a produção das placas de aço, algumas obras estão sendo concluídas com o objetivo de otimizar o escoamento da produção da CSP. A rodovia CE-576 (“Rodovia das Placas”); um novo portão (Gate 2) de acesso ao Porto do Pecém; e uma nova ponte de acesso ao Terminal de Múltiplas Utilidades (TMUT) vão permitir uma maior eficiência no processo de embarque das placas. A previsão é que todas essas obras estejam operando até o fim desse ano. A Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), que tem hoje capacidade para produzir até três milhões de toneladas de placas de aço por ano, faz parte do Complexo Industrial e Portuário do Pecém – CIPP.